Weby shortcut
Icone Instagram
Icone Linkedin
Icone YouTube
Universidade Federal de Goiás
Thaís capa

Na vibe das mulheres DJs

Tema de pesquisa de mestrado, trajetória de DJs em Goiânia levanta discussão sobre o papel da mulher na sociedade

Thaís

Texto: Caroline Brandão
Fotos: Arquivo Pessoal

A música precisa ser sentida, do contrário ela perde seu poder de alcance. Para a pessoa que está em cima da picape ⎼ o espaço em que os DJs se posicionam com seus equipamentos ⎼ é importante que o público se entregue ao que ouve e viva um fluxo contínuo. Sem cortes, sem quebras, uma melodia se mixa à outra, e de forma quase imperceptível, o ritmo muda e todos continuam o movimento. Quem não consegue criar esse fluxo na festa, samba. E nesse caso ⎼ só nesse ⎼, sambar é quando o profissional não consegue ligar suas músicas na mixagem e deixa óbvio ao público quando uma melodia termina e a outra começa. Algo inadmissível entre eles.

Na vibe das mulheres DJs: sentimento, subversão e mixagem é o resultado de uma pesquisa de mestrado sobre as mulheres que conquistam cada vez mais esse ambiente musical e mostram que elas conseguem ser ótimas DJs, ao contrário do que muitos pensam. Edson Sucena Junior, autor da dissertação em Performances Culturais pela Escola de Música e Artes Cênicas (Emac), explica que existe uma funcionalidade nesses espaços só entre as mulheres que é diferente dos homens, o que enriqueceu muito a pesquisa, pensada inicialmente para ser sobre a trajetória dos DJs em geral do país.

Para o projeto, cinco profissionais do ramo em Goiânia foram chamadas para contar como vivem e fazem sua renda no mundo das casas noturnas e festas eletrônicas. Juntamente com o machismo no ambiente de trabalho, Edson percebeu a mudança na identidade visual das entrevistadas ao longo dos anos. "Os primeiros DJs do Brasil tocavam escondidos, atrás de panos, então eles não tinham visibilidade alguma. Com o avanço das décadas isso mudou. No início, quando essas mulheres [entrevistadas] se apresentavam, elas não se importavam muito com produção estética, mas depois elas passaram a se preocupar mais com cabelo, com a maquiagem forte, e eu percebi essa transição na identidade estética para atender o público", comenta. O resultado foi a percepção de uma identidade transitória entre as DJs, uma mudança contínua entre elas que conversa com suas próprias músicas, e que não é vista de forma negativa. Assim como as músicas são mixadas sem interrupção, as atividades cotidianas, seja na picape de uma festa, em casa ou com a família, se embaralham, e fazem delas personagens mais complexas e completas. Porém, elas apontaram ainda problemas na preocupação dos organizadores com suas imagens.

Graduandas na picape
No espaço acadêmico, não é difícil encontrar jovens que se dedicam aos cursos e à profissão para alcançar mais independência e sucesso. Thaís Oliveira começou sua carreira como DJ de maneira inesperada, após pedir a um amigo para aprender a mixar músicas. "Foi uma época em que estava difícil conseguir estágio na minha área e estava precisando da grana. Então eu pensei: por que não?". A ousadia foi recompensada e ela passou a ser procurada por vários organizadores de eventos. Quando o assunto é a conciliação entre faculdade e profissão, ela afirma que é preciso muita dedicação. "Já rolou algumas vezes de ter de tocar em um dia e no outro ter aula ou prova, mas na maioria delas, eu trabalho como DJ nos fins de semana. Então dá para se dedicar como DJ e na faculdade", afirma.

Quanto à sua vivência dentro das casas de shows e de eventos musicais, ela condena o machismo existente e o fato de muitas DJs não possuírem a oportunidade necessária para mostrarem seus talentos. "Quando comecei a tocar, não havia muitas mulheres DJs no cenário alternativo. O incentivo às mulheres começou de 2017 pra cá". Thaís também evidencia a presença masculina nos sons mais pedidos. "O que a gente vê ainda, infelizmente, é o line-up ⎼ as músicas escolhidas ⎼ composto na sua maioria por homens", relata.

Suzy

Fonte: Secom/UFG

Categorias: pesquisa Edição 94