Weby shortcut
Icone Instagram
Icone Linkedin
Icone YouTube
Universidade Federal de Goiás
Meio ambiente contaminação da água

Água para consumo não está livre de contaminação

Situação se agrava com legislação permissiva e lobby da bancada ruralista no Congresso Nacional

Letícia Rocha

Apesar de ser um recurso essencial para a vida humana, a água que chega às casas dos brasileiros pode ser prejudicial à saúde em razão das inúmeras contaminações. A portaria nº 2.914/2011, do Ministério da Saúde, estabelece um padrão de potabilidade da água para consumo humano, determinando níveis aceitáveis de resíduos como metais pesados, solventes e agrotóxicos. Mas, segundo o Sistema de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (Sisagua), apenas 25% dos estados brasileiros realizam essa métrica e a maioria registra números muito acima dos estabelecidos.

A engenheira ambiental Karla Alcione, professora da Universidade Federal de Goiás (UFG), explica que, nas estações de tratamento, a água passa por uma etapa de desinfecção e de fluoretação que remove apenas os micro-organismos. "O tratamento não visa a remoção de hormônio, de pesticida e de metais pesados. Então, a nossa água de abastecimento público é segura do ponto de vista microbiológico, mas não do ponto de vista químico", alerta.

Com relação aos agrotóxicos, o cenário brasileiro é ainda mais preocupante, já que o país é, atualmente, o maior consumidor dessas substâncias no mundo - são cerca de sete litros consumidos por pessoa em um ano. Após serem aplicados nas lavouras, os agrotóxicos podem atingir os mananciais e chegar às estações de tratamento.

A pesquisadora da UFG, Josiane Cardoso, adverte que alguns desses compostos apresentam alta solubilidade na água, o que não permite uma descontaminação completa. "Esse fato é preocupante, visto que a maioria dos agrotóxicos é altamente tóxica, mesmo que em baixas concentrações".

Bancada ruralista
Segundo a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), a água contaminada pode causar problemas neurológicos, de infertilidade, má-formação fetal, doença de Parkinson e diversos tipos de câncer. O agrotóxico, especificamente, não traz prejuízo apenas aos recursos hídricos, mas também à criação animal e à fauna silvestre.

Além de uma legislação considerada permissiva com relação à tolerância de contaminação da água, propostas em tramitação no Congresso Nacional podem agravar o problema. O projeto de lei n° 6.299/02, também conhecido como PL do Veneno, pretende atualizar a Lei dos Agrotóxicos. Uma das mudanças previstas é mudar o termo agrotóxico para defensivo fitossanitário.

O engenheiro agrônomo Wilson Mozena Leandro considera que é necessário continuar denominando tais substâncias de agrotóxicos para fazer referência aos perigos envolvidos. Para o professor da UFG, os representantes da bancada ruralista buscam os interesses das grandes empresas do setor, o que pode acarretar "efeitos nefastos na agricultura brasileira, na saúde da população e no meio ambiente".

Box contaminação água

Rodapé

Fonte: Secom/UFG

Categorias: Meio ambiente Edição 96 Humanidades