Icone Instagram
Icone Linkedin
Icone YouTube
Universidade Federal de Goiás
Artigo

Líderes acadêmicos devem apoiar comunidades científicas inclusivas durante a Covid-19

Criada em 23/06/20 10:28. Atualizada em 23/06/20 10:47.

Pesquisadoras opinam sobre a importância de se construir uma comunidade científica inclusiva

* Bea MaasKathleen E. GroganYolanda ChirangoNyeema HarrisLuisa Fernanda Liévano-LatorreKrista L. McGuireAlexandria C. MooreCarolina Ocampo-ArizaMonica Marie PaltaIvette Perfecto, Richard B. PrimackKirsten RowellLilian SalesRejane Santos-SilvaRafaela Aparecida SilvaEleanor J. SterlingRaísa R. S. VieiraCarina Wyborn & Anne Toomey 

A pandemia do COVID-19 apresenta grandes desafios para todos os setores da sociedade, incluindo cientistas que enfrentam interrupções abruptas e redirecionamentos da pesquisa e do ensino superior. As consequências dessa crise impactarão desproporcionalmente os cientistas em início de carreira; especialmente aqueles de comunidades historicamente sub-representadas, desfavorecidas e/ou discriminadas nos campos das ciências ambientais, incluindo mulheres, pesquisadores do Sul Global e pessoas com deficiência. Apelamos a um esforço coletivo de toda a comunidade científica, especialmente àqueles em posições de liderança, para responder aos desafios de curto e longo prazo desta crise e proteger décadas de esforços para construir uma comunidade científica inclusiva.

Comunidades científicas diversas e inclusivas são mais produtivas, inovadoras e impactantes, mas também agudamente ameaçadas pela atual crise. O aumento repentino de responsabilidades pelo cuidado, ensino, supervisão e administração da família corre o risco de cientistas de grupos sub-representados ficarem sobrecarregados. Por exemplo, as mulheres são mais frequentemente responsáveis ​​pelos serviços e orientação dos alunos do que seus colegas homens na academia, resultando em aumento da carga de trabalho e menos oportunidades de progressão na carreira. A crise atual também pode representar ameaças existenciais desproporcionais a cientistas sobre cuja representação e igualdade ainda é pouco conhecida (por exemplo, minorias étnicas e raciais, LGBTQ + e indivíduos com deficiência). Atualmente, os cientistas com recursos financeiros ou tecnológicos limitados que dependem de renda ou vistos temporários no exterior para o seu trabalho estão em desvantagem e precisam de apoio para buscar oportunidades educacionais e de carreira.

Desigualdades baseadas no racismo e na discriminação, como os casos perturbadores de ataques racistas contra pessoas de ascendência asiática desde a disseminação do vírus, afetarão a comunidade científica internacional não apenas nas próximas semanas e meses, mas a longo prazo. Lidar com as consequências atuais e de longo prazo da pandemia requer uma ação corajosa em todos os níveis de nossa comunidade científica. As Lideranças Acadêmicas são especialmente requisitadas para apoiar e proteger ativamente a integridade de nosso campo e criar um foco de diversidade, equidade e inclusão em todos os esforços de recuperação relacionados ao COVID-19 em locais de trabalho científicos, comunidades e políticas mais amplas.

A distribuição justa e o reconhecimento de tarefas comunitárias constroem as bases para um ambiente acadêmico favorável, mas os cientistas em início de carreira em situações precárias precisam mais do que isso. A política científica e os tomadores de decisão precisam estabelecer medidas de apoio que protejam comunidades científicas inclusivas da recessão econômica, redução da disponibilidade de emprego e financiamento e aumento da concorrência. Aumentar a segurança no emprego e a acessibilidade dos recursos cria ambientes de trabalho mais saudáveis, interceptando o estresse emocional e financeiro causado pela desigualdade. A superação dessa pandemia requer uma forte comunidade científica internacional que entenda que a diversidade e a equidade são fatores-chave na promoção de ambientes saudáveis ​​e resilientes como os pilares da saúde e bem-estar humanos.

Bea Maas

Instituto de Zoologia, Universidade de Recursos Naturais e Ciências da Vida, Viena, Áustria

Bea Maas

Departamentos de Antropologia e Biologia, Universidade Estadual da Pensilvânia, University Park, PA, EUA

Kathleen E. Grogan

Departamento de Botânica e Zoologia, Universidade de Stellenbosch, Stellenbosch, África do Sul

Yolanda Chirango

Departamento de Ecologia e Biologia Evolutiva, Universidade de Michigan, Ann Arbor, MI, EUA

Nyeema Harris

Laboratório de Biogeografia da Conservação, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Brasil

Luisa Fernanda Liévano-Latorre, Lilian Sales, Rejane Santos-Silva, Rafaela Aparecida Silva e Raísa RS Vieira

Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Evolução, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Brasil

Luisa Fernanda Liévano-Latorre e Rejane Santos-Silva

Departamento de Biologia, Instituto de Ecologia e Evolução, Universidade de Oregon, Eugene, OR, EUA

Krista L. McGuire

Centro de Biodiversidade e Conservação, Museu Americano de História Natural, Nova York, NY, EUA

Alexandria C. Moore, Eleanor J. Sterling e Anne Toomey

Agroecologia, Universidade Georg-August de Goettingen, Goettingen, Alemanha

Carolina Ocampo-Ariza

Departamento de Estudos e Ciências Ambientais, Pace University, Nova York, NY, EUA

Monica Marie Palta e Anne Toomey

Escola de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Universidade de Michigan, Ann Arbor, MI, EUA

Ivette Perfecto

Departamento de Biologia, Universidade de Boston, Boston, MA, EUA

Richard B. Primack

Programa de Estudos Ambientais, Regent Administrative Center, Universidade do Colorado em Boulder, Boulder, CO, EUA

Kirsten Rowell

Departamento de Biologia Animal, Instituto de Biologia, Universidade de Campinas, Campinas, Brasil

Lilian Sales

Instituto Internacional de Sustentabilidade, Rio de Janeiro, Brasil

Raísa RS Vieira

WA Faculdade de Silvicultura e Conservação, Universidade de Montana, Missoula, MT, EUA

Carina Wyborn

Centro de Conservação da IUCN, Instituto Luc Hoffmann, Gland, Suíça

Carina Wyborn

Artigo originalmente publicado em: https://www.nature.com/articles/s41559-020-1233-3

O Jornal UFG não endossa as opiniões dos artigos, de inteira responsabilidade de seus autores.

Categorias: artigo