Weby shortcut
Icone Instagram
Icone Linkedin
Icone YouTube
Universidade Federal de Goiás
Equipe cheerleading

“Me dê um U, me dê um F, me dê um G!”

Criada em 27/12/18 13:04. Atualizada em 03/01/19 10:36.

Equipe da UFG vence o Campeonato Brasileiro de Cheerleading

Mariza Fernandes e Caroline Pires

 

Equipe de cheerleading da UFGEquipe da UFG treina o Centro de Lutas da Faculdade de Educação Física e Dança

Foram muitos obstáculos para chegar ao local da competição após um ano inteiro de treinos intensos, mas o grupo de estudantes da Universidade Federal de Goiás (UFG) voltou do Campeonato Brasileiro de Cheerleading com um troféu de primeiro lugar. A equipe Sealand Cheer, que reúne estudantes das mais diversas áreas da UFG, venceu a competição que aconteceu no Rio de Janeiro entre os dias 15 e 16 de dezembro, na categoria universitária nível 2.

Para alcançar o resultado, a equipe treinou todos os dias da semana, inclusive aos domingos, desde o mês de setembro. “Nosso maior desafio foi arrecadar dinheiro para viajar até o Rio de Janeiro. Somos 30 pessoas no projeto de extensão, mas só 14 conseguiram participar da competição”, contou Ellen Gomes, estudante de Educação Física na UFG e integrante da equipe.

Igor Lucena é capitão da equipe e destacou que a vitória foi sem dúvida um marco na história da equipe, criada a apenas um ano. "Em apenas três meses corremos contra o tempo para criar rotina de treino, arrecadar verba e todos os detalhes para a viagem", afirmou. O estudante, que está no último período da licenciatura em Educação Física, lembrou ainda que o Sealand Cher é a primeira equipe de Cheerleading competitivo de Goiás a trazer um título para o estado.

 

Recursos

De acordo com Ellen, a viagem só foi possível porque a UFG contribuiu com o transporte dos competidores, oferecendo um ônibus. Após a vitória, o grupo visitou a reitoria da Universidade para agradecer pelo apoio. A equipe foi recebida pelo reitor Edward Madureira Brasil e pela vice-reitora Sandramara Matias Chaves, juntamente com o pró-reitor adjunto de assuntos estudantis, Igor Kopcak, da Diretoria de Articulação Acadêmica.

“A meta da nossa Diretoria é a assistência estudantil, por isso me coloco a disposição para apoiar a equipe no que for preciso. Apesar dos desafios, a nossa função é encontrar os caminhos para atender a essas demandas”, afirmou Igor Kopcak. Durante a reunião, o reitor Edward revelou que havia se reunido no dia anterior com o Ministério do Esporte e um dos temas debatidos foi a necessidade de recursos para a construção de um ginásio de esportes.

Equipe cheerleadingApós a vitória, o grupo visitou a reitoria para agradecer o apoio

“Temos essa ideia de construir o ginásio há algum tempo. Ontem, no Ministério do Esporte, eu consegui um recurso para reformar a estrutura que já temos, mas o objetivo é construir um novo prédio. Estamos enfrentando um severo corte de gastos, mas somos teimosos e vamos até o fim”, afirmou Edward. Atualmente, a equipe de cheerleading treina no Centro de Lutas da Faculdade de Educação Física e Dança (FEFD). “Não é o espaço mais apropriado, mas  conseguimos nos virar”, explicou Ellen.

 

Cheerleading

Mais conhecido pelas coreografias e acrobacias de tirar o fôlego, os líderes de torcida entraram no imaginário social brasileiro por meio dos filmes que retratam as universidades norte-americanas. Talvez por causa da forma estereotipada como a atividade é retratada no cinema, poucas pessoas sabem que o cheerleading é um esporte com alto grau de dificuldade e que demanda um intenso treinamento.

A equipe de competidores da UFG faz parte de um projeto de extensão da Faculdade de Educação Física e Dança (FEFD/UFG), voltado para treinamento de cheerleading. Comemorando a conquista, Igor pretende que a vitória incentive novos praticantes da modalidade. "Pretendemos divulgar ainda mais o esporte para o estado para que ele cresça e adquira mais adeptos. Temos planos de levar mais de uma equipe para os próximos campeonatos e quem sabe trazer mais títulos", afirmou.  Para saber mais sobre a Sealand Cheer, confira a matéria de Caroline Pires

Categorias: Arte e Cultura