Weby shortcut
Icone Instagram
Icone Linkedin
Icone YouTube
Universidade Federal de Goiás
Guia eletrônico permite identificar espécies vegetais por meio das sementes

Guia eletrônico identifica espécies vegetais por meio das sementes

Criada em 08/04/19 12:39. Atualizada em 18/04/19 14:21.

Projeto inédito desenvolvido pela UFG e UFRB produz sistema de busca a um acervo de 300 espécies

Luiz Felipe Fernandes

Imagine ter à disposição apenas a semente de uma planta e precisar identificar a espécie à qual ela pertence. O Guia Eletrônico de Identificação de Sementes e Propágulos, desenvolvido pelas Universidades Federais de Goiás

Guia de sementes

(UFG) e do Recôncavo Bahia (UFRB), facilita esse processo ao disponibilizar um catálogo com imagens e características de sementes de 300 espécies vegetais.

A ferramenta inova ao oferecer um sistema de busca simples e intuitivo, podendo ser utilizada mesmo por quem não é especialista na área. As opções de pesquisa incluem nome científico ou popular da espécie, além de características aparentes, como cor, brilho, tamanho, forma e consistência da semente ou propágulo (sementes acompanhadas de

Professor Edson
Edson Duarte coordena o projeto pela UFG (Foto: Pedro Gabriel)

partes do fruto que permitem sua reprodução).

O professor Edson Ferreira Duarte, do Instituto de Ciências Biológicas (ICB), que coordena o projeto pela UFG, explica que, tradicionalmente, a identificação de sementes é feita com base em mostruários com exemplares para comparação ou com o auxílio de guias impressos. Com o guia eletrônico, esse trabalho torna-se mais fácil e rápido. A ferramenta foi feita em linguagem Java, compatível com qualquer sistema operacional, e que em breve, ganhará uma versão online.

 

Comércio de sementes

Além do registro para fins de sistematização do conhecimento, o guia eletrônico possui uma importante aplicação comercial e no trabalho de fiscalização. “Em todo o mundo, sob o ponto de vista legal, só se pode vender sementes com a identificação da espécie”, esclarece o professor. Isso inclui tanto o fornecimento em grande escala quanto o comércio de varejo, feito em casas agropecuárias, por exemplo.

Para a comercialização de sementes também é feita uma análise de sua qualidade física. Para se atestar a pureza de um lote, os laboratórios credenciados pelo Ministério da Agricultura verificam se há contaminação por outras sementes consideradas nocivas ou mesmo proibidas. Dependendo da espécie e da proporção encontrada, o lote não pode ser vendido como semente, o que aumenta a importância da identificação para a certificação desses produtos em todo o Brasil.

Parceria

O projeto que culminou no Guia Eletrônico de Identificação de Sementes e Propágulos existe desde 2010. O professor Edson Ferreira Duarte comenta que o trabalho é demorado por incluir várias etapas: colher a semente,

Guia de sementes
Projeto que culminou no Guia existe desde 2010

identificar a espécie, depositar o material no herbário e registrar no Sistema Nacional de Gestão do Patrimônio Genético e do Conhecimento Tradicional Associado (SisGen). Só depois disso é que as imagens são selecionadas para que as características sejam diagnosticadas e descritas.

Além do professor da UFG, o projeto é coordenado na UFRB pelo Dr. Grênivel Mota da Costa. Também integram a equipe do projeto os professores Camila Bezerra da Silva, João Soares de Oliveira Neto e Lidyanne Yuriko Saleme Aona, da UFRB.

Categorias: Tecnologia