Weby shortcut
Icone Instagram
Icone Linkedin
Icone YouTube
Universidade Federal de Goiás
Bosque Auguste Saint-Hilaire

200 anos da visita de Auguste de Saint-Hilaire a Goiás

Criada em 12/03/20 14:58. Atualizada em 12/03/20 15:14.

Descobertas feitas por Saint-Hilaire em sua pesquisa são usadas até hoje por diferentes áreas

Débora Alves

Cercando os prédios da Universidade Federal de Goiás (UFG) no Câmpus Samambaia, encontra-se o bosque Auguste de Saint-Hilaire que foi criado em 21 de agosto de 1978 com uma área de aproximadamente 20 hectares, o bosque possui diversas espécies de animais e vegetação. A origem do nome veio do botânico francês que viajou ao Brasil para fazer uma pesquisa de campo em 1816.Ele permaneceu no Brasil seis anos e durante sua estadia visitou os estados de: Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Bosque Auguste Saint-Hilaire
Vice-reitora Sandramara Matias participou da abertura do evento promovido pela Faculdade de História (Fotos: Carlos Siqueira)

 

Sua passagem por Goiás contribuiu muito para os estudos da vegetação e é usada até hoje em diversas áreas. E dessa passagem surgiu a ideia do evento “Os Caminhos de Saint-Hilaire em Goiás: Rotas e Roteiros de Pesquisa”, que ocorreu nos dias 10 e 11/03 na Faculdade de História da UFG . A coordenadora do curso de licenciatura e também organizadora do evento na universidade, Maria Lemke conta que a ideia do evento surgiu por meio de uma conversa com a professora Lenora de Castro da Universidade de Brasília (UNB), que desde o ano passado vem promovendo eventos sobre a passagem de Saint-Hilaire. Lemke ressalta “Eu não imaginava que a partir de Saint-Hilaire daria para juntar tantas áreas diferentes” .

O evento teve a presença do Curador da Coleção Auguste de Saint-Hilare do Museu Nacional de Paris, Marc Pignal, que fez uma palestra sobre Saint-Hilaire.“É um evento muito importante porque é uma comemoração e cada vez comemorações são oportunidades de conversar sobre o presente e não só do passado”, Marc contou sobre os estudos de Saint-Hilaire, que fez um trabalho não só de naturalista mas também de historiador: “ele fez uma descrição da sociedade brasileira do século XIX, em botânica até hoje suas descrições sobre as plantas são usadas pela precisão nos detalhes”, e lembra que na época, em 1816, Saint-Hilaire já notava que as matas estavam desaparecendo o que traz mais importância para seu trabalho nas futuras gerações.

Bosque Auguste Saint-Hilaire
Curador da Coleção Auguste de Saint-Hilare do Museu Nacional de Paris, Marc Pignal 

Marc abriu sua palestra comentando que Auguste Saint-Hilaire é mais conhecido no Brasil do que na França, e ressaltou que aqui existem diversas homenagens a Saint-Hilaire e que ele não foi esquecido na memória dos brasileiros, enquanto na França existe somente uma rua com seu nome que fica localizada em sua cidade natal. Ele lembra que apesar de Auguste ser botânico, durante sua passagem pelo Brasil seu trabalho englobou outras disciplinas, como zoologia, geologia, geografia, história, arquitetura, entre outras.

No total a passagem de Saint-Hilaire pelo Brasil rendeu 11 cadernos de coleta, 20.000 exsicatas (amostras de plantas) e aproximadamente 3 mil novas espécies além dos livros publicados. No museu de Paris ele é o segundo maior coletor de acervo. Marc conta, “o jeito que achei com colegas de facilitar o acesso às obras foi um trabalho virtual de Auguste Saint-Hilaire, o projeto permite disponibilizar as versões digitalizadas dos herbários e cadernos, uma versão com a ligação do número de coleta e a página do caderno, no site é possível ampliar as páginas dos cadernos para uma melhor leitura.”

Bosque Auguste Saint-Hilaire
Visita ao Bosque

Para finalizar a primeira manhã de evento, a gestora da Unidade de Conservação da UFG, Vera Lúcia Gomes, fez uma visita guiada ao bosque e as placas de homenagens feita a Auguste Saint-Hilaire na inauguração do bosque e lembrou que o bosque está contido na Unidade de Conservação da UFG que foi criada pelo professor José Ângelo Rizzo,  compreendendo o Herbário, Reserva Biológica Serra Dourada e o Bosque Auguste Saint-Hilaire.

Site Herbário virtual de Auguste Saint-Hilaire: http://hvsh.cria.org.br/

Veja mais: 

Faculdade de História promove evento sobre Auguste de Saint-Hilaire

Fonte: Secom UFG

Categorias: Humanidades FH