Icone Instagram
Icone Linkedin
Icone YouTube
Universidade Federal de Goiás
laces

UFG cria rede de laboratórios para diagnosticar covid-19

Criada em 29/04/20 13:56. Atualizada em 29/04/20 14:03.

Caso obtenha os insumos necessários, rede conseguirá realizar 7 mil testes por mês e ajudar o sistema público de saúde no atendimento de demanda por exames

Versanna Carvalho

Laboratórios de análises clínicas e de pesquisa da Universidade Federal de Goiás (UFG) se organizaram em rede para ampliar o diagnóstico da covid-19 em Goiânia. A iniciativa do Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública (IPTSP), Instituto de Ciências Biológicas (ICB) e Faculdade de Farmácia (FF) conta com a participação da Escola de Agronomia (EA) e da Escola de Veterinária e Zootecnia (EVZ). A equipe de pesquisadores e voluntários tem como meta a realização de 7 mil diagnósticos por mês.
Para levar o projeto adiante, a Instituição se colocou formalmente à disposição do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação (MCTIC), Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES), Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia (SMS) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg). A rede de laboratórios da UFG já está pronta para entrar em operação e a expectativa é começar dentro de até 15 dias, desde que haja o repasse dos insumos necessários (reagentes, material químico, kit para diagnóstico e kit para coleta de material) para fazer o diagnóstico.

laces 2
Laboratório de Análises Clínicas e Ensino em Saúde (Laces) do Instituto de Ciências Biológicas da UFG



A Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia (SMS) firmou uma parceria com a UFG para a realização desses exames e está organizando a aquisição dos insumos. De acordo com orientações da Superintendência de Vigilância em Saúde da SMS de Goiânia, as amostras serão coletadas em determinados grupos sociais/profissionais, como da saúde, da segurança pública, e outras áreas de caráter essencial, durante a pandemia. Há ainda os grupos de confirmação (pacientes em estado grave), grupos de risco e outros.
"Em um primeiro momento, a ideia da SMS Goiânia é que a rede de laboratórios da UFG priorize exames específicos com profissionais da saúde. Para que eles consigam se manter na linha de frente do combate à covid-19 com mais segurança", observa o diretor do IPTSP, José Clecildo Barreto Bezerra.
“Os grupos essenciais ou específicos são definidos de acordo com as indicações de identificação do fluxo da infecção entre a população, alinhado às orientações clínico-epidemiológicas de autoridades e órgãos de saúde municipal, estadual, nacional e internacional”, acrescenta o diretor do IPTSP.

Prioridade

O diretor do ICB, Gustavo Rodrigues Pedrino, destaca que "a prioridade da UFG é ajudar a rede pública a diagnosticar os casos do novo coronavírus, diminuindo a subnotificação e realizando a identidade precoce". Ele observa que a UFG possui infraestrutura e capacidade técnica para assumir esse desafio, seguindo os protocolos da Organização Mundial de Saúde (OMS). O professor ainda destaca que “buscando atender a sociedade neste difícil momento, diversos docentes, servidores e discentes se disponibilizaram voluntariamente para integrar a equipe que realizará o diagnóstico da covid-19”.
O material biológico vai ser coletado em hospitais e Centros de Atendimento Integral à Saúde (Cais) e enviados aos locais de análise da UFG, que são o Laboratório Rômulo Rocha (LRR/FF), Laboratório Margarida Dobler Komma (LMDK/IPTSP), e o Laboratório de Análises Clínicas e Ensino em Saúde (Laces/ICB). Os Laboratórios de análises clínicas e suas especialidades atendem mais de 200 pacientes por dia.
Diferentemente dos testes rápidos, que verificam a presença de anticorpos no organismo do paciente, e que já foram liberados para a venda em farmácias, a UFG vai fazer o teste molecular, que verifica se há a presença do novo coronavírus na amostra examinada. "Nesse tipo de exame é feito o estudo molecular do vírus, a partir de uma metodologia chamada PCR. Esses diagnósticos não são tão comuns na rede pública de saúde e a UFG tem uma estrutura de equipamentos e pessoal qualificado que permite que possamos atuar nessa luta nacional para desenvolver os exames de diagnóstico. É sabido que os testes são de grande importância para subsidiar decisões médicas e também políticas de distanciamento social, como abrir ou fechar comércio", ressalta Clecildo.

Força tarefa

A diretora da Faculdade de Farmácia, Telma Alves Garcia, conta que em decorrência da pandemia o Laboratório Rômulo Rocha (LRR) teve suas atividades reduzidas de forma significativa em função da suspensão dos exames eletivos encaminhados via Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a qual o laboratório é conveniado, mas retoma agora as atividades com foco no diagnóstico da covid-19.
"Para isso foi montada uma força tarefa com a participação de docentes especialistas na área, de servidores técnicos do LRR, estudantes de pós-graduação e estudantes de graduação. Toda essa equipe está se preparando para o início das atividades de diagnóstico da doença e irá contribuir de forma efetiva na ação de combate à pandemia, juntamente com as demais unidades da UFG envolvidas nesta ação", observa.

Pesquisadores participantes

Faculdade de Farmácia (FF)

Ângela dos Santos Rocha
Angela Ferreira Lopes
Carlos Chagas Machado Nunes
Keila Correia de Alcântara
Kênia Divina da Silva Souza
Leonardo Gomes Souza
Lívia Garcia Bertolacci Rocha
Lorena Neves Ferreira
Maísa de Moraes Barbosa
Pedro de Souza (Faculdade de Odontologia - FO)
Ramias Vieira Calixto Freire
Silvia Helena Rabelos dos Santos
Thalyta Renata Araújo Santos
Valéria Christina de Rezende Feres
Virgínia Farias Alves

Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública (IPTSP)

Aline Garcia Kozlowski
Cristina Rodrigues de Oliveira Teixeira
Diana de Lima Borges
Fabíola Souza Fiaccadori
Fernanda Craveiro Franco
Menira Borges de Lima Dias e Souza
Murilo Barros Silveira
Nathália Almeida de Sousa Gandara
Simone Fonseca
Sueli Meira da Silva
Viviane Lopes Rocha Corrêa

Instituto de Ciências Biológicas (ICB)

Andreia Luiza Pereira Silva
Carlos Henrique de Castro
Cláudio Umberto Soares
Clayton Borges
Daniela De Melo E Silva
Denise da Silva Pinheiro
Elisângela De Paula Silveira Lacerda
Francyelli Mello Andrade (Instituto Federal de Goiás - IFG)
Gabriela Silvério Basílio
Gabriel Qualhato
Gustavo Rodrigues Pedrino
Juliana Alves Parente Rocha
Larissa Matuda Macedo
Lucilene Arilho Ribeiro Bicudo
Mariana Pires de Campos Telles
Raphaela de Castro Georg
Renata de Oliveira Dias
Renan Nunes Leles
Silvia Maria Salem Izacc Furlaneto
Thannya Nascimento Soares

Fonte: Secom UFG

Categorias: Diagnóstico Saúde ICB IPTSP FF