Icone Instagram
Icone Linkedin
Icone YouTube
Universidade Federal de Goiás
Gruba

Alunos da EMAC se apresentam em grupo - mas cada um em suas casas

Criada em 30/04/20 14:02.

Projeto reúne vídeos gravados separadamente para uma performance no Youtube

Augusto Araújo

Enquanto as atividades presenciais da Universidade Federal de Goiás (UFG) seguem suspensas devido à pandemia da Covid-19, a Escola de Música e Artes Cênicas da UFG (EMAC/UFG) vem encontrando formas de se manter ativa nas redes sociais. Além do projeto GruBa, o canal no YouTube da EMAC vem postando o “Laboris de Quarentena”.

Orientado pelo professor João Casimiro, o projeto reuni alunos da EMAC e convidados externos para fazer, à distância, o que estão acostumados a executar presencialmente na disciplina de Prática em Conjunto, ou seja tocar em grupo arranjos e repertórios diversos. Casimiro destaca que fazer as gravações é importante não só pela divulgação dos estudantes/músicos e do Laboratório, mas também “para que eles possam fazer uma reflexão mais atenta sobre como tocaram, e o que precisa melhorar”.

O primeiro vídeo foi postado na última sexta-feira (24), e conta com os alunos da EMAC tocando uma composição do próprio professor João Casimiro. A performance também traz a participação especial de Edu Guimarães, professor do Conservatório Municipal de Socorro/SP, tocando a sanfona. Casimiro adiantou que o próximo vídeo deve ser postado nesta sexta (1).

O professor da EMAC ressalta também que a atividade não é obrigatória, mas que diversos alunos se propõem a participar do Laboris de Quarentena. Até o momento, 28 alunos já participaram do projeto. João afirma que a proposta de arranjos para cada vídeo é sempre variada, já que “a instrumentação varia para cada vídeo, dependendo dos alunos que aderem à atividade.”

Um dos estudantes que participam da iniciativa, Pedro Constantino, explica que a dinâmica é bem diferente quando se grava separadamente. “Quando estamos tocando diretamente com outras pessoas o maior exercício é ouvir o seu próprio som somado ao som dos outros membros do grupo. Estando sozinho, essa organicidade gerada pelo todo se perde um pouco.’’ Contudo, o estudante de guitarra reitera salienta que o novo desafio é se adaptar a esse novo contexto, para conseguir manter a possibilidade de tocar em conjunto.

Confira o vídeo!

Fonte: Secom UFG

Categorias: Arte e Cutura Emac Coronavírus