Weby shortcut
Icone Instagram
Icone Linkedin
Icone YouTube
Universidade Federal de Goiás
Pesquisa ponto de ônibus

Pesquisa constata precariedade dos pontos de ônibus de Goiânia

Etnografia realizada em principais eixos do transporte coletivo revela abrigos pouco eficientes e malconservados

Luiz Felipe Fernandes

Cobertura pouco eficiente contra o sol e a chuva, calçamento irregular e falta de iluminação e sinalização adequadas. Essas características, bem conhecidas por quem utiliza o transporte coletivo em Goiânia, são apenas algumas das constatações de uma pesquisa que analisa a situação dos pontos de ônibus da capital. A pesquisa foi realizada pelo desenhista industrial Rodrigo Balestra Ferreira de Paiva, no mestrado em Projeto e Cidade, da Universidade Federal de Goiás (UFG).

Munido de câmera fotográfica e caderno de anotações, Rodrigo percorreu regiões de Goiânia que possuem eixos estruturantes do transporte coletivo, como os Setores Universitário, Bueno e Central, além do Jardim Guanabara, na região Norte. Utilizando-se da etnografia – uma metodologia em que o pesquisador se insere no contexto pesquisado para observar e compreender determinada realidade –, ele foi capaz de constatar as limitações e deficiências dos abrigos, tecnicamente chamados de Pontos de Embarque e Desembarque (PED).

Em termos técnicos, os pontos de ônibus são pouco acessíveis e faltam espaços para cadeirantes e assentos em número e dimensão razoável para a maioria dos usuários. A manutenção desses abrigos também se mostrou deficiente, com estruturas pouco atraentes, escuras, sujas, com mau odor e perigosas, com pontos de ferrugem e ausência de informações básicas.

"Percebe-se que o acesso ao PED ainda é precário em praticamente todas as regiões da cidade, com calçadas pouco convidativas, sem rampas de acesso, construídas com material inadequado, sem sinalização, além de estruturas empenadas e localizadas em espaços pequenos que dificultam a passagem de cadeirantes, idosos ou crianças em carrinhos de bebê", destaca Rodrigo. Outro aspecto negativo é o excesso de cartazes e pichações em alguns pontos.

Ponto de ônibus

Usuários do transporte coletivo aguardam no ponto de ônibus: falta conforto para a espera (Rodrigo Balestra)

Experiência do usuário
A pesquisa também revela que a falta de manutenção dos pontos de ônibus interfere na relação das pessoas com a cidade. Rodrigo explica que um PED perde sua função quando deixa de oferecer aos usuários a orientação quanto ao seu destino, informações sobre linhas e itinerários e proteção contra as intempéries com relativo conforto.

"Sob a ótica da experiência do usuário, a sensação de abandono e insegurança pode se concretizar quando essa interação se torna frágil, pois cria uma noção de que o sistema de transporte público disponível poderia ser mais eficiente, organizado e capaz de compreender as verdadeiras necessidades dos passageiros", pontua o pesquisador.

A consequência, segundo Rodrigo, é que os PED ainda não participam de maneira positiva no dia a dia dos usuários do transporte público de Goiânia, que ainda demonstram pouco afeto e respeito pelo produto e que evitam usá-los além do tempo estritamente necessário.

Ponto de ônibus

Espaços dos abrigos poderiam ser melhor utilizados com finalidades informativas ou de marketing (Rodrigo Balestra)

 

Design e identidade

O pesquisador acrescenta que o mobiliário urbano compõe uma das várias identidades de uma cidade, por isso a importância do design dessas estruturas. "O sistema de informação em tempo real da RMTC, por exemplo, funciona muito bem e ajuda bastante os passageiros, além de tocar no ponto central da pesquisa: a relação do Design dos PED e sua implantação no espaço urbano como vetor de valorização da cidade, da autoestima dos habitantes e do cuidado com o mobiliário urbano", explica.

Nesse sentido, as cores, os materiais, as formas e as soluções diferenciam essas estruturas e podem torná-las identitárias, ou seja, reconhecidas tanto pela população da cidade quanto por visitantes ou usuários esporádicos. Rodrigo acrescenta que o fato de se tornarem úteis e admirados facilita o intercâmbio com outros segmentos de mercado, com a publicidade e o marketing, gerando retorno financeiro para a cidade e tornando a rotina dos usuários menos dura e fatigante.

Fonte: Secom/UFG

Categorias: pesquisa Edição 96 Humanidades