Weby shortcut
Icone Instagram
Icone Linkedin
Icone YouTube
Universidade Federal de Goiás
Mariana Assumpção

Relações entre arte e vida na educação escolar

Criada em 29/03/19 17:15. Atualizada em 17/04/19 16:13.

Professora Mariana Assumpção explica que trabalhar a subjetividade pela arte é uma importante ferramenta de humanização

Mariana Assumpção

Mariana Assumpção*

 

As relações entre educação escolar e sociedade foram, ao longo da história, analisadas a partir de diferentes e opostas concepções. Acreditou-se que a escola era apenas uma instituição de caráter neutro, por outro lado se incumbiu à escola a função, tão somente, de reproduzir as desigualdades sociais. A instituição foi estudada enquanto uma local que sofre as influências da sociedade, ao mesmo tempo em que colabora, consideravelmente, para a sua transformação, na medida em que modifica os sujeitos que por ela passam. Essa última concepção sobre as relações entre educação escolar e sociedade parece-me a mais acertada.

De igual modo em relação a educação escolar e a sociedade, inúmeros pesquisadores se debruçaram sobre dicotomias a respeito de a escola ser conteudista ou praticista. Entendo que a escola não tem como função primeira agir diretamente sobre a prática social. Ela deve, isso sim, atingir em primeiro plano, os seus alunos, a subjetividade de cada um deles com os conhecimentos científicos, filosóficos e artísticos em suas máximas expressões. Logo, o papel da escola não é um papel prático em essência, mas um papel altamente subjetivo e individual que trará repercussões coletivas e práticas a partir daquilo que cada um fizer com o conhecimento adquirido.

O ensino da arte, tal como a escola, auxilia na formação mais ampla dos alunos e também tem como função atuar sobre a subjetividade humana. Ele pode ser uma importante ferramenta de humanização e desenvolvimento humano em suas múltiplas potencialidades e possibilidades.

Todas essas questões sobre as relações entre educação e sociedade, sobre a papel da escola e a importância do ensino de arte são analisados no livro “Pedagogia histórico-crítica e as relações entre arte e vida na educação escolar”. Trata-se, pois, de um livro que investiga tais questões a partir de uma teoria pedagógica específica, qual seja, a pedagogia histórico-crítica no sentido de um esforço coletivo para adensar e enriquecer os estudos nessa perspectiva. Essa obra tenta avançar nas discussões sobre as relações entre educação e sociedade, escola e vida, teoria e prática trazendo, em tempos de retrocessos educacionais, um diálogo profícuo, crítico e instigante para os profissionais da área educacional, professores e alunos das licenciaturas em geral.  O livro é resultado de estudos realizados por mim no curso de mestrado em Educação Escolar entre os anos de 2012 a 2014 na UNESP, campus de Araraquara. 

Mariana Assumpção é professora do Centro de Ensino e Pesquisa Aplicada à Educação da Universidade Federal de Goiás

 

Fonte: Secom UFG

Categorias: Artigo