Weby shortcut
Icone Instagram
Icone Linkedin
Icone YouTube
Universidade Federal de Goiás
Foto carteira de trabalho - Gabriel Jabur

PANORAMA

Criada em 26/08/19 15:40. Atualizada em 28/08/19 17:20.

Medo de perder emprego altera apoio presidencial

*Gabriel Madeira

Gabriel Madeira

O que ocorre com as preferências políticas dos cidadãos quando são confrontados com dificuldades econômicas? Quais tipos de preferências políticas são afetadas em situações de crise econômica? Pontos de vista sobre as questões políticas concretas e de aprovação dos políticos, ou as convicções mais profundas, como a ideologia política também seriam afetadas? Todas as pessoas são igualmente afetadas por experiências de dificuldades econômicas, ou esses eventos provocam uma resposta maior de alguns grupos do que de outros? Estas questões recentemente atraíram uma atenção renovada após as recentes quedas na aprovação de Bolsonaro e o aumento do medo de desemprego anunciado, ambas conclusões de pesquisas divulgadas pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Uma das principais respostas a estas perguntas está vinculada a como as pessoas ajustam sua ideologia de esquerda-direita em resposta à perda de emprego e desemprego. O foco na perda de emprego e no desemprego reflete que estes são eventos de vida disruptivos que são, por sua vez, de alcance amplo o suficiente para possivelmente evocar mudanças nas preferências políticas, enquanto ainda afetam grandes áreas da sociedade. Este último aspecto é especialmente verdadeiro em relação ao atual cenário brasileiro, que incluiu uma recessão que caracterizou vários anos de crescimento negativo e uma duplicação da taxa de desemprego nos últimos dez anos.

Se as pessoas ajustam a ideologia da esquerda para a direita quando perdem o emprego, isso não é óbvio. Afinal, a ideologia política é muitas vezes retratada como profundamente enraizada nos processos de socialização da primeira infância. De acordo com essa escola de pensamento, os apegos ideológicos estariam amplamente imunes a mudanças nas circunstâncias econômicas mais tarde na vida. No entanto, outros insistem que as convicções ideológicas permanecem “maleáveis” durante a vida adulta. Se seguirmos esse argumento e levarmos em consideração a centralidade do trabalho na vida das pessoas, a perda do emprego pode levar as pessoas a revisitar suas crenças ideológicas.

Mas mesmo assim, ainda não está claro se as pessoas se tornariam mais de esquerda ou mais de direita ao perder o emprego. A lógica da economia política postula que a perda de emprego altera o que as pessoas têm a ganhar com a redistribuição e a proteção social, conforme defendido pela esquerda política. No entanto, a perda de emprego também pode dar origem a outras forças. Por exemplo, está bem documentado que a adversidade econômica pode intensificar a hostilidade em relação aos imigrantes e contra pessoas dependentes de benefícios sociais - um sentimento que geralmente está associado à direita. 

No geral, nossas análises ressaltam que as ideologias de esquerda-direita são altamente resilientes, exibindo um forte grau de estabilidade ao longo do tempo, mesmo quando as pessoas estão expostas a eventos impactantes, como perda de emprego. No entanto, seria errado concluir que as ideologias políticas permanecem totalmente "congeladas" quando as pessoas perdem o emprego. Em vez disso, descobrimos que as pessoas tendem a revisar sua ideologia - pelo menos a curto prazo - ligeiramente à esquerda, quando perdem o emprego.

Na medida em que há forças em jogo que empurram os desempregados para a direita do espectro ideológico, essas forças parecem superadas por outras pressões que os puxam para a esquerda. De fato, enquanto observamos muitas pessoas que revisam sua ideologia à direita, essas mudanças para a direita não parecem diretamente impulsionadas pelas experiências de perda de emprego. Essa conclusão está de acordo com outros trabalhos recentes que sugerem que o sucesso de partidos populistas de direita é alimentado, principalmente, por temores de dificuldades econômicas, em oposição a experiências reais de dificuldades econômicas. Já dificuldades reais parecem, em primeiro lugar, desencadear uma mudança ideológica à esquerda.

Vale ressaltar que os efeitos ideológicos da perda de emprego não são espelhados por uma maior probabilidade de votar em partidos de esquerda. As possíveis razões para isso são múltiplas. Por um lado, votar é, em última análise, apenas parcialmente orientado pela ideologia e possivelmente também fortemente influenciado por quem está atualmente no poder. Para além disso e para além de seu impacto nas preferências políticas, as dificuldades econômicas podem ter efeitos adicionais importantes, como afastar as pessoas da política ou fazê-las se afastar da vida pública de maneira mais geral.

No futuro, será proveitoso investigar conjuntamente esses efeitos. Dito isso, a ideologia política também permanece interessante por si só, como um termômetro de tendências no eleitorado que pode acabar moldando a paisagem política a longo prazo.

Gabriel Madeira é professor de Ciência Política na UFG e pesquisador do Núcleo de Pesquisa de Políticas Públicas da USP. Desenvolve pesquisa sobre comportamento político, globalização econômica e instituições políticas.mento político, globalização econômica e instituições políticas

Fonte: Secom UFG

Categorias: colunistas