Weby shortcut
Icone Instagram
Icone Linkedin
Icone YouTube
Universidade Federal de Goiás

Na trilha sonora do conhecimento

Criada em 09/10/15 09:31. Atualizada em 16/10/15 14:55.

Marca Jornal UFG 74

 

 

Na trilha sonora do conhecimento

Iniciativa de servidora da UFG em parceria com unidades acadêmicas promove atividades educativas e artísticas para comunidade

Texto: Wanessa Olímpio | Fotografia: Adriana Silva

 

 Espaço de  Artes Vitória oferece, entre outras atividades, aulas de música

 Espaço de Artes Vitória oferece, entre outras atividades, aulas de música

 

A servidora do Centro de Ensino e Pesquisa Aplicada à Educação (Cepae), Célia Freitas, trabalha na UFG há 33 anos. Ela sempre gostou de promover atividades recreativas e aulas de educação ambiental para os filhos dos seus colegas de trabalho, com a ajuda de voluntários. Para isso, ela utilizava o Bosque dos Palmares, no Conjunto Nossa Morada e, também, espaços cedidos pela instituição e até a garagem de sua casa.

 

Atualmente, a servidora coordena o Espaço de Artes Vitória, em parceria com a Universidade e a Paróquia Nossa Senhora da Assunção, representada pelo padre Marcos Rogério de Oliveira. O projeto de extensão proporciona atividades educativas e artísticas para pessoas da comunidade. Com a colaboração da Escola de Música e Artes Cênicas (EMAC/ UFG) e o Centro de Línguas UFG/ UFG, são oferecidas aulas de iniciação musical, instrumentos musicais, canto coral e Inglês, além de acompanhamento com uma assistente social. Hoje a iniciativa atende 60 crianças que recebem aulas de instrumentos e canto coral.

 

Flauta, violão, teclado, guitarra e bateria foram doados ao Espaço pela dupla Zezé de Camargo e Luciano. Os professores são estagiários do curso de Música da UFG e permanecem durante um semestre lecionando. Dessa forma, novas vagas são oferecidas a cada semestre e preenchidas por ordem de inscrição. A divulgação é feita durante as missas da igreja, no Cepae e no boca a boca. A idade mínima para participar é seis anos e não há limite máximo de idade.

 

Convivência

Segundo a assistente social e psicóloga, Carmem Lúcia Soares, que trabalha no projeto por meio da Faculdade de Educação da UFG, o compartilhamento de saberes e o aprendizado são benéficos para as crianças. Para ela, a visão do projeto é extremamente abrangente. “Nosso desejo não é simplesmente que a criança aprenda o inglês ou a música. Acompanhamos o desenvolvimento e a socialização dela”, ressalta.

 

Tiago Martins, um dos estagiários do projeto, leciona canto coral. Para ele, fazer parte desta iniciativa é uma oportunidade de colocar em prática a teoria que aprende na faculdade. “Aqui é uma simulação do que vai ser no mercado de trabalho”, afirma. O estudante enfatiza ainda que o ensino é conduzido de forma leve. “Não temos a intenção de formar músicos aqui, mas queremos despertar a expressão artística que a música pode oferecer, abordando uma linguagem que possa fazer com que eles se relacionem entre si e com outras coisas na escola”.

 

Além dos estudantes do curso de Música, há um voluntário do curso de Engenharia de Software da UFG. Leonardo dos Santos ministra aulas de bateria desde o início de 2015 para, em média, 15 alunos, em duas turmas, uma de crianças e a outra com pré-adolescentes e adultos. “Um dos meus alunos é fabricante de instrumentos de percussão e teve o interesse de aprender a tocar também. Vemos que eles estão interessados na aula, que eles estão ali realmente para apreender alguma coisa”, relata.

 

Graciela Fernandes é mãe da aluna Ana Clara, de 10 anos, e ficou sabendo das aulas de música por meio de uma amiga. Ela conta que a filha sempre gostou de música e faz aulas desde os quatro anos. “Em momento algum eu incentivei, isso é dela mesmo. Ela gosta muito de música clássica, totalmente diferente de mim”, observa. Para outra aluna, Magda Alves, o fácil acesso ao Espaço de Artes Vitória é um dos seus pontos positivos. Ela estuda canto coral há três anos por meio do projeto e conta que já tinha tentado se matricular em outros cursos, mas não conseguiu porque ficavam longe. “As aulas têm me ajudado bastante”, elogia.

 

 Projeto Espaço de Artes Vitória

 

Para ler o arquivo completo em PDF clique aqui

Para conferir a entrevista completa no Programa Conexões clique aqui

 

Fonte: Ascom/UFG

Categorias: Extensão Educação artística oficinas